Prefeitura alerta para risco de desidratação em idosos no verão

Quarta, 15 de Janeiro de 2020 - 15:09

Devido às altas temperaturas do verão, são grandes os riscos de desidratação, principalmente entre idosos. Em Guarulhos houve um aumento de 90,9% no número de internações por desidratação deste público no período de 2017 a 2019. Desta forma, a Secretaria de Saúde de Guarulhos faz um alerta e pede para que idosos e seus familiares fiquem atentos. 

De janeiro a março foram registradas 11 internações de idosos em 2017. O número subiu para 18 em 2018 e atingiu 21 em 2019. A médica geriatra do Centro de Referência à Saúde do Idoso (Ceresi), Beatriz Noele, afirma que entre os sinais clássicos da desidratação estão lábios e língua secos e diminuição da quantidade de urina. “Nos idosos, a secura da pele na região axilar pode ser um sinal que auxilia no diagnóstico”, destacou. 

Idosos e seus familiares também devem ficar atentos a contraturas musculares (câimbras), vômitos, dor de cabeça, tonturas e quedas, fraqueza, febre, fadiga e mal-estar, alterações de humor e comportamento (agitação, irritabilidade, apatia), bem como quadros de confusão mental (sonolência, alucinações, delírios e até convulsões). Por isso, deve ser evitada a exposição a temperaturas elevadas e, ao sentir um desses sintomas, deve-se sair imediatamente do sol, procurar abrigo em local arejado e beber bastante água. 

Segundo a médica, a pessoa idosa apresenta maior tendência à desidratação por possuir menor quantidade de líquido no corpo e por sentir menos sede do que pessoas de outras idades, além de ter mais dificuldade em controlar a temperatura corporal e devido à redução da capacidade do rim de conservar sódio e água. “É importante lembrar que alguns idosos desenvolvem desidratação pela dificuldade do acesso à água, principalmente os que têm problemas de locomoção, acamados ou que possuem algum transtorno mental que os impeça de comunicar que estão com sede. Familiares e cuidadores devem oferecer-lhes água a fim de evitar as graves consequências da desidratação”, alerta a geriatra Beatriz Noele.

Elisângela Arantes, responsável pela saúde do idoso em Guarulhos, ressalta a importância dessas orientações à pessoa idosa, seus familiares e cuidadores sobre os cuidados necessários, principalmente nos dias mais quentes. “A desidratação é uma doença silenciosa e que pode trazer agravos irreversíveis. Não queremos isso para nossos idosos, por isso precisamos que a informação seja amplamente compartilhada entre a população”, explicou. 

Dicas importantes

Beba água

É muito comum que o idoso se esqueça de beber água, por isso é importante sempre ter uma garrafa por perto! É recomendado o consumo de 2 a 3 litros de água por dia para a maior parte dos idosos, exceto em certas condições clínicas em que a restrição de água é necessária. A quantidade é variável e depende de vários fatores, incluindo peso e a atividade física que realiza. Por isso o médico deve ser consultado sobre a quantidade de água correta para cada paciente. Vale destacar que bebidas açucaradas como refrigerantes e sucos industrializados não devem substituir a água. Uma dica é aromatizar a água com hortelã ou frutas, por exemplo, como rodelas e cascas de laranja ou limão. Também é indicado evitar ou reduzir o consumo de cafeína e álcool, pois são bebidas que contribuem para a desidratação.

Use roupas leves, filtro solar e repelente

Como a pele do idoso é mais fina há maior risco de queimaduras. Por isso é recomendado o uso de filtro solar diariamente. As roupas mais leves ajudam a amenizar o calor, e o chapéu ou boné, a proteger a cabeça do sol. Além disso, vale destacar a atenção na escolha de chinelos ou sandálias, que podem aumentar o risco de quedas. Também vale lembrar que, como no verão aumenta a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya, é fundamental o uso de repelente para se proteger dessas e de outras doenças que, nessa fase da vida, podem ser fatais.

Cuidados com a alimentação

Refeições muito quentes e gordurosas devem ser evitadas, priorizando frutas, verduras e legumes, que são fontes de vitaminas, minerais e fibras, além de serem alimentos mais refrescantes. Para ajudar a evitar a contaminação, além de vômitos e diarreia, a dica é lavar e armazenar os alimentos de forma adequada, além de lavar bem as mãos antes das refeições e depois de usar o banheiro.