Formatura do projeto Curso Padaria reúne assistidos do Acolhimento Taboão e imigrantes

Quinta, 07 de Novembro de 2019 - 15:49

Em clima de muita alegria e descontração, o Projeto Curso Padaria –iniciativa da Prefeitura de Guarulhos viabilizada pela Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social em parceria com a Associação Paulista de Supermercados (Apas) e com o Fundo Social de Solidariedade –formou nesta quarta-feira (6) a segunda turma. Ao todo, 22 alunos, sendo seis conviventes do Serviço Institucional de Acolhimento Adulto Masculino (Casa de Acolhimento Taboão)e 13 imigrantes do Haiti foram capacitados para trabalhar como auxiliar de padarias e confeitarias de supermercados, restaurantes e panificadoras.Eles serão capazes de auxiliar na fabricação de produtos de padaria e confeitaria como bolos, pães, tortas, massas folhadas, biscoitos e salgados.

Representando o secretário da Pasta, o diretor de Assistência Social, Fábio Cavalcante, destacou que o projeto preenche o horário ocioso do Restaurante Popular Solidariedade Josué de Castro. “Agradeço a parceria com a Apas, a qual capacita para a inserção no mercado de trabalho e geração de renda. As aulas do projeto são realizadas em um local que é considerado o maior restaurante popular da América Latina no horário em que ele está ocioso. Atualmente são servidas cerca de mil refeições no almoço”, afirmou o gestor.

A diretora de responsabilidade social da Apas, Cristiane Raya Sanches, adiantou que três alunos não compareceram porque conseguiram serviço. “Fiquei muito feliz hoje em saber que três formandos já arrumaram trabalho. Nosso grupo de responsabilidade social é composto por 22 mulheres e cada uma colabora um pouco na entrega doscertificados”, disse Cristiane, acrescentando que 84 supermercados de Guarulhos e da região norte da Capital fazem parte da associação.

Já a presidente do Fundo Social de Solidariedade, Elen Farias, desejou sucesso aos formandos. “Hoje formamos a segunda turma e mais uma vez agradeço a parceria da Associação Paulista de Supermercados. Espero que todos tenham aproveitado o curso e desejo muito sucesso,” disse Elen.

Elen destacou que o objetivo da iniciativa é qualificar as pessoas para que se recoloquem no mercado de trabalho ou para que empreendam, tenham um negócio próprio. “Queremos aumentar essa parceria com a Apas e, desta forma, dar mais oportunidade aos que estão fora do mercado de trabalho”, afirmou.

Por fim, o subsecretário de Igualdade Racial, Anderson Guimarães, lembrou que a iniciativa só é possível porque a administração municipal possibilita a construção de políticas públicas para todas as pessoas.

Inclusão social e geração de renda

Aos 31 anos, Cleberson Bersi da Silva é um dos formandos do projeto. Ele já trabalhou como locutor de lojas, serralheiro e há dois meses é um dos conviventes do Serviço Institucional de Acolhimento Adulto Masculino (Casa de Acolhimento Taboão). “Foi muito bom fazer o curso. É uma oportunidade para quem está interessado em ter uma habilidade a mais e mostra que é possível evoluir. Aprendi a valorizar cada ingrediente e conheci seu valor nutricional”, disse Cleberson, que já incluiu o curso no currículo e o distribuiu nas padarias e mercados da região.

Vivendo no Brasil há um ano e sete meses, Solange Charles, 36 anos, que é uma imigrante haitiana em situação de refúgio, participou do curso. “Aprendi bastante coisa: a fazer pão, bomba de chocolate, bolo, pão francês. E gostei muito,” falou ainda com um pouco de dificuldade em se expressar na língua portuguesa. Ela faz parte do grupo de imigrantes que está sendo assistido pela Prefeitura para inclusão social e cultural, bem como geração de renda.

Imagens: Nicollas Ornelas/PMG