Guarulhos sedia evento estadual para discutir tuberculose e HIV

Quarta, 13 de Novembro de 2019 - 18:04

Foi realizada na manhã desta quarta-feira (13) no Adamastor Centro uma roda viva para discutir as coinfecções por tuberculose (TB) e HIV no estado de São Paulo. Promovido por meio de parceria entre o Comitê Estadual de Controle Social da Tuberculose e as secretarias municipal e estadual de Saúde, o evento foi voltado para integrantes de movimentos sociais e demais interessados.

Cerca de 40 pessoas participaram da roda de conversa, entre médicos e enfermeiros da rede municipal de saúde, integrantes do Programa de Controle da Tuberculose da cidade de Franco da Rocha, representantes dos presídios da cidade e também do Instituto Clemente Ferreira, entidade de referência para o tratamento de tuberculose resistente na Capital.

Para conduzir a roda e tirar dúvidas dos participantes, o evento contou com especialistas no assunto: Laedi Santos, médica coordenadora do Programa Estadual de Tuberculose; José Carlos Veloso, da Rede Paulista de Controle Social de Tuberculose; Noemi Tomoko de Lima, coordenadora do Programa Municipal de Tuberculose; Leda Jamal, coordenadora estadual do Centro de Referência e Treinamento em Infecções Sexualmente Transmissíveis – IST/aids; e Marina Nairismagi Alves, do CTA Guarulhos (Centro de Testagem e Aconselhamento em IST/aids).

Coinfecção

O evento teve por objetivo divulgar e implementar medidas para o controle da coinfecção TB/HIV para a redução da carga de tuberculose em pessoas vivendo com HIV e vice-versa, bem como para garantir o início da terapia antirretroviral de forma precoce. Além disso, na roda de conversa também foram discutidas as diretrizes de ação conjunta para as duas doenças, uma vez que a principal causa de óbito em pacientes com HIV é a tuberculose.

Por isso, para toda pessoa diagnosticada com tuberculose é ofertado o teste para a detecção do HIV, sendo que o mesmo acontece na situação inversa. No Brasil, o Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis e o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis do HIV/aids e das Hepatites Virais tem elaborado, conjuntamente, atividades para o enfrentamento da coinfecção tuberculose-HIV, além de monitorar seus indicadores-chave.

Dentre as ações realizadas, destacam-se a publicação das Recomendações para o Manejo da Coinfecção TB-HIV em Serviços de Assistência Especializada (SAE) a pessoas vivendo com HIV/aids; a criação do Curso de Manejo Clínico da Coinfecção TB-HIV na modalidade de ensino a distância; o relacionamento das bases de dados nacionais de ambas as doenças para a qualificação da informação; a inserção da variável Terapia Antirretroviral (TARV) na ficha de notificação/investigação de TB; e as orientações para o tratamento de pacientes coinfectados por TB e HIV.

Fotos: Divulgação/PMG